NOTÍCIAS

Buscar
  • redação CIVI-CO

A grande mobilização está prevista para acontecer no mundo todo, hoje, 8 de março de 2018. Os dados sobre a democracia e a mulher contra a mulher e a igualdade de gênero . Estamos vivendo, pela definição de alguns acadêmicos e feministas, uma terceira onda do movimento feminista. Depois da luta pelo direito do voto feminino no século XIX e início do XX, a luta pela conquista feminina em 1960, veio o clamor pelo fim da violência, e mais recentemente, pelo fim do assédio contra as mulheres.

No CIVI-CO, todos os dias, cerca de 150 mulheres em uso para ajudar a criar um impacto social no mundo. Falamos com 4 delas que estão atuando ou estão à frente de empresas que podem ser militantes na luta pelas mulheres. Todos concordaram que ainda há muito o que fazer para ser mulher e olhar com mais respeito.

A paraense Flávia Dias , gerente de comunicação da Humanitas em 360 ° , há muito tempo atrás. Uma das 4 colaboradoras do site Não me Khalo , Flávia é que é o que mais falta à mulher é o respeito.

“O que é uma coisa hoje mais luta por respeito, em todos os aspectos. The study on the street, of the defense of the part of the walk of the street, is not supported in the work, is not supported in work, is not violate of many forms. Este é o melhor presente que pode ser inventado, se é que é possível um prazo curto.

Para ampliar ainda mais as vozes feministas, a Flávia e suas amigas estão lançando uma campanha de financiamento coletivo para se deslocarem para o site Não me Khalo em um portal e para realizar um evento anual em São Paulo, ou o Fórum dos Direitos Autorais das Mulheres. “A festa das crianças é montada, é necessária a ajuda das nossas seguidoras”, finaliza com um sorriso confiante. O tempo de espera é mesmo, o site conta hoje com 1.225.742 seguidores!

Aline Delouya , líder de operações do Visionários , estão trabalhando em um momento de disruptura em que as feministas estão cada vez mais com força. Para ela, uma mulher ainda precisa se posicionar de uma forma mais incisiva. “A equipe trabalha bastante com a periferia, faz muitos grupos surgindo com vozes empoderadas de mulheres ... Mulheres negras, mulheres homossexuais ... Cada vez que a gente tem mais segmentação e mais força nesses grupos. A gente não pode ficar mais no passado. A gente não pode mais abafar essas vozes. ”

Thaís Fontoura trabalha na parte de prospecção do Quintessa. Sua missão está encontrar mulheres empreendedoras. “A gente sabe que é um ambiente muito jovem e cabe nos que estão de algum modo a visualizar, e ajudar a impulsionar seus negócios”. Thaís, a palavra representa uma relação de importância fundamental na luta pelas mulheres. “A coisa como representatividade demográfica é maioria. mas quando uma mulher olha para a mídia, a mulher negra, uma mulher negra, de todos os tipos de mulher, é muito negativa. O primeiro contato com a causa tem dia, lugar e horário marcado. Quando eu estava na faculdade, eu e as outras meninas que estudavam à noite, percebi que quando as pessoas tinham que andar 800 metros até a era havia uma longa jornada por causa do medo que a gente sentia. E nossos amigos nunca tinham parado para o pensar porque eles eram um caminho normal. Passar por aquela rua antiga não é afetada pela segurança deles. Foi aí que comecei a perceber que nós, mulheres, somos colocadas em um espaço de fragilidade muito por causa do contexto que cria. Se a gente não pode andar na rua sozinho, se você não pode vestir uma roupa que gosta de se vestir? Comecei a conversar com outras mulheres e vi que era um problema que as que têm que se escolher, principalmente como as que moram nas regiões periféricas de São Paulo, onde o acesso é muito mais complicado,As máscaras , por exemplo , podem ser aplicadas por Thaís Fontoura, para que as mulheres possam ser executadas juntas e executadas.

Os desafios são enormes, mas nem por isso desanimadores. A força das mulheres, há muito que é, é algo incomensurável. Layla Vallias , co-fundadora da Hype60 + , trabalha com o público sênior, acima dos 60 anos. E para ela, foi libertador que a mulher vai muito além do corpo e da idade.

“Crescendo o peso do crescimento para uma mulher. 'A bunda cai!' 'Dá gogó e outras frases que provocam medo de lembrar. Mas ninguém me contou que é libertador, divertido e pode ser, sim, muito feliz. Tem ignorado bastante a minha existência trabalhando com o público maduro. Meu papel como mulher, profissional, cidadã e

Terminou com uma frase inspiradora da Fafá de Belém, em seu aniversário de 60 anos: “Envelhecer te incomoda? Nunca tive tempo, nem paciência, pra ter crise com idade. Nem aos 30, nem aos 50, quanto mais agora. "Vai querer dizer o que não deve fazer por causa da idade". Não permito. A juventude está dentro de mim. Eu não sou uma estrela, não sou uma diva, sou uma mulher comum. Rumo aos 70! A vida é o que a gente faz dela.

Um dia feliz para mulheres de todas as idades! "

produção: Jessica Moura

49 visualizações0 comentário
  • redação CIVI-CO

Descrição do evento

Aprenda como o poder das histórias vai ajudar você a aumentar a visibilidade da sua organização e o potencial de transformar a sociedade.

Serão 8h recheadas de conceitos teóricos, cases e exercícios práticos pensados para Institutos, Fundações, ONGs e Negócios Sociais, onde você fará uma imersão no universo das histórias e sairá com um passo a passo para criar uma campanha de storytelling.

Você pode fazer a sua inscrição individual ou em dupla, com mais um colega da sua organização. Como vamos ter diversas atividades práticas, recomendamos a participação de mais de um integrante por organização. Por isso, estamos oferecendo o código OFICINAEMDUPLA, que dá 10% de desconto para quem fizer a inscrição em dupla.

Para Quem

Para empreendedores do terceiro setor que tem muita vontade de compartilhar as histórias da sua organização, mas ainda não sabem como.

Para estudantes que querem expandir seus conhecimentos e aprender mais sobre como as histórias podem inspirar transformações.

Para todos que, de alguma maneira, estão envolvidos com negócios sociais e querem se capacitar para aumentar o alcance da sua organização.

Temas Abordados

O Poder das histórias no dia a dia

Em plena economia da atenção, entenda o que faz as pessoas pararem horas na frente da tv para assistir uma série no Netflix.

Segredos do Storytelling

O que está por trás das histórias de sucesso? Por que você gosta mais de uma história e menos de outra?

Storytelling e Impacto Social: principais desafios

O engajamento em causas importantes é urgente. Como fazer as narrativas de impacto ganharem relevância? Como fazer histórias de transformação se destacarem?

Anatomia das Histórias

De Aristóteles a Hollywood, as histórias estão sempre entre nós. Temos muito a aprender com a forma como as narrativas foram e são construídas.

Storytelling na prática

Vamos colocar no papel? Em um exercício prático, veja como contar uma história de impacto social não é tão difícil assim.

Material Incluso

Certificado impresso para cada participante

Apostila com melhores práticas para contar histórias em vídeos

Material específico para o exercício prático

Depoimentos de quem já participou

“Foi incrível participar do workshop. Para chamar a atenção da sociedade para causas importantes, cada vez mais precisamos saber contar boas histórias e hoje tenho certeza de que o storytelling é a melhor maneira de atingir esse objetivo. Melhor ainda é poder conhecer um pouco mais dessa teoria e poder testá-la na prática, algo que o curso oferece.”

Rafael Vergueiro, Instituto Ayrton Senna

“Achei o conteúdo apresentado muito rico. Também achei muito especial todos os materiais produzidos para o curso. Isso deixou claro o quanto os dois facilitadores estavam dedicados ao tema e ao evento.”

Vanessa Machado, Criança Segura

“Tinha escutado sobre storytelling poucas vezes na vida e me impressionou bastante! De fato, saí do curso com outro olhar para as histórias e com a certeza de que todas elas são realmente valiosas.”

Virgínia de Toledo Santos, Instituto Fazendo História

“O curso foi muito importante para olharmos a nossa organização de outra forma. Daqui para a frente iremos sempre pensar em transmitir nossa causa contando boas histórias.”

Welson Alves, Movimento Choice

Instrutores

Marcelo Douek

Formado em Comunicação Social pela FAAP, pós-graduado em Gestão Empresarial pela BSP, especialização em Branding pela Kellog e com cursos livres de roteiro para cinema. Depois de atuar como planejador em agências de comunicação, fundou a LUKSO Story & Strategy em 2009, onde vem desenvolvendo projetos de Storytelling para grandes clientes como Heineken, Natura, LATAM, Votorantim, Novartis entre outros. Encara a SocialDocs como uma oportunidade de devolver para a sociedade tudo o que aprendeu com o poder das histórias nos últimos 10 anos de carreira.

Henry Grazinoli

Diretor e roteirista. Estudou cinema na PUC/RS e roteiro na EICTV - Cuba. Teve projetos premiados pela Rio Filme, Prêmio Estimulo, TV Cultura e SP Cine. É diretor e roteirista do documentário "Entre Mundos", sobre empreendedorismo social. Escreveu diversos roteiros de cinema e storytelling. Foi o coordenador do portal e oficinas “Tela Brasil” e do projeto “Dar voz aos Jovens”, supervisionando a realização de 50 filmes em periferias brasileiras. O trabalho com temáticas sociais e o desejo de trabalhar por causas importantes o impulsionaram na criação da SocialDocs.

Civi-co: coworking de impacto social - São Paulo, SP

09 de novembro de 2017, 09h-18h

Inscreva-se aqui

Conheça a Social Docs: www.socialdocs.com.br

61 visualizações0 comentário
  • redação CIVI-CO

O CIVI-CO marca presença no BLAST-U, um festival que reúne e conecta empreendedores, start-ups, corporações, investidores e curiosos em um ambiente com espírito de comunidade e colaboração para construir pontes e gerar negócios.

Neste primeiro dia de evento acompanhamos diversas palestras e workshops incríveis! Temas como educação, tecnologia, negócios de alto desempenho, expansão, inovação, performance e impacto no futuro, preencheram o Pavilhão da Bienal. Outras atividades também cativaram o público de forma inesperada, como por exemplo, o campo com obstáculos reais para um jogo virtual. Os participantes usavam equipamentos de realidade aumentada e óculos VR para encontrar o caminho e liberar o prisioneiro na cela de verdade!

Também presenciamos David Baker, do The School of Life, palestrando sobre Trabalho e Inteligência Emocional. Ele traçou uma relação entre desempenho pessoal e as raízes da família, concluindo em como isso afeta no jeito que usamos nossa inteligência emocional no trabalho. Assim, conseguimos entender como pensamos, para que cada vez mais possamos usar melhor nossas capacidades.


O primeiro dia do evento foi rico e muito divertido, já deixando todos ansiosos pelo dia 2!

Além das palestras e workshops, o evento oferece um time de incrível de mentores que compartilham sua sabedoria, experiência e conhecimento com empreendedores menos experientes, empreendedores buscando soluções para problemas relacionados à sua área de atuação.

Ricardo Podval, Cofundador do CIVI-CO é um dos mentores do evento.

Formado em Engenharia Mecatrônica, com MBA em empreendedorismo na Babson. Passou os últimos 7 anos na China como General Manager de grandes projetos de Bens de Capitais (Mineração, Siderurgia, Cimento, Papel & Celulose ) no mercado Asiático. Retornou ao Brasil em 2016 em busca de um projeto com propósito. Juntamente com sua sócia Patrícia Villela Marino estão inaugurando o CIVI-CO primeiro Coworking para projetos de impacto Civico -Social

Confira a lista de mentores do festival BlastU

0 visualização0 comentário

NEWSLETTER civi-co

  • Facebook
  • Instagram
civi-co_branco_1.png